Arquitetura sustentável: saiba como funciona este novo conceito

A arquitetura sustentável é um termo geral que se refere a edifícios projetados para limitar o impacto da humanidade no meio ambiente e pode ser um motivo que na atualidade e cada vez mais no futuro leve as pessoas a considerarem a compra de um apartamento à venda em Vila Velha , por exemplo.

Afinal, uma abordagem ecologicamente correta para optar por uma construção moderna sustentável pode trazer muitas soluções para o futuro, tanto para a vida na terra quanto para proteção do planeta.

Por essa razão, pensar em arquitetura sustentável abrange todos os aspectos do processo de planejamento e construção, incluindo a escolha dos materiais de construção; o projeto e implementação de sistemas de aquecimento, resfriamento, encanamento, resíduos e ventilação; e a integração do ambiente construído na paisagem natural.

sustentabilidade

História da Arquitetura Sustentável

Muitas das práticas e princípios usados ​​na arquitetura sustentável estão enraizados em técnicas de construção antigas que foram transformadas com o surgimento de materiais modernos e produção em massa na era industrial.

A consciência moderna sobre a necessidade de uma arquitetura sustentável remonta a mais de 50 anos ao aniversário do primeiro Dia da Terra, ao movimento ambientalista internacional e à legislação resultante que ele gerou em todo o mundo.

Mas o mundo está agora no meio de uma emergência de mudança climática, e muitas das leis ambientais aprovadas nos últimos 50 anos foram revogadas. Isso torna ainda mais imperativo que designers, arquitetos, construtores e consumidores exijam melhores práticas de construção para ajudar a combater os danos causados ​​por uma das indústrias mais poluentes do planeta.

Sustentabilidade e seus contributos

A sustentabilidade se tornou um elemento importante da arquitetura contemporânea. Padrões ambientais como breeam e leed oferecem diretrizes para construções sustentáveis. Arquitetos responsáveis ​​se esforçam para atender a esses padrões e obter as certificações associadas para seus projetos.

Porém, muitos outros designers e construtores simplesmente usam palavras-chave como “ecologicamente correto”, “verde” ou “sustentável” como termos de marketing. Essencialmente, suas alegações de práticas sustentáveis ​​são exageradas. Apesar de todos os avanços no conhecimento e na conscientização, a arquitetura verdadeiramente sustentável ainda é mais exceção do que regra.

Características da Arquitetura Sustentável

Como foco geral, a arquitetura sustentável visa a redução do impacto humano no meio ambiente. Além disso, procura minimizar o consumo de energia prejudicial e desperdiçador mínimo, graças ao uso de fontes de energia renováveis, como painéis solares e sistemas naturais de aquecimento, resfriamento e ventilação.

Edifícios que produzem pelo menos tanta energia quanto consomem para um efeito líquido zero também são repensados. Além de sistemas de conservação de água, como coleta de água da chuva e reciclagem de água cinza. E isto pode inclusive ajudar proprietários com apartamento para alugar a conseguirem clientes de uma maneira mais rápida no futuro!

arvore

A arquitetura sustentável também repensa a integração na paisagem circundante, o uso de materiais renováveis, como bambu, cânhamo, cortiça, linho e soja. Além disso, pensa na possibilidade de substituição de materiais convencionais como concreto por alternativas sustentáveis, como o cânhamo (feito de cânhamo, cal e água) ou plásticos convencionais por bioplásticos inovadores feitos de algas.

O uso de materiais reciclados e reaproveitados também pode ser uma solução proposta pela arquitetura sustentável. Espaços modulares adaptáveis ​​feitos de materiais naturais que podem ser facilmente quebrados e reaproveitados ou reciclados também são formas de projetos utilizados em muitas partes do mundo, bem como, projetos de casas minúsculas, micro apartamentos e outras estruturas pequenas que ajudam a suprir a urgência por moradias mais sustentáveis ​​e usam menos massa de terra e energia.

Por fim, a arquitetura sustentável também pensa em soluções alternativas de habitação, como casas e edifícios de apartamentos construídos a partir de contêineres reciclados, bem como arquitetura flutuante em hidrovias em todo o mundo que abordam a escassez de moradias em áreas costeiras densas. E, evidentemente, no aspecto decorativo, também contempla a incorporação de plantas e natureza por meio de paredes vivas, torres residenciais cobertas de árvores e telhados verdes para ajudar a resfriar edifícios existentes e criar ambientes biofílicos saudáveis para os seres humanos.

Exemplos de arquitetura sustentável

A madeira pode ser um material de construção antigo, mas a madeira laminada cruzada, feita por meio da colagem de camadas de madeira, tornou-se uma alternativa sustentável para torres de cidades e casas pré-fabricadas na Europa e nos Estados Unidos. Se o século 20 foi definido pelos arranha-céus de aço e vidro de cidades como Nova York, o século 21 pode vir a ser definido pelos arranha-céus de madeira como Mjøstårnet por Voll Arkitekter em Brumunddal, Noruega.

Mesmo os materiais reciclados podem se tornar os blocos de construção de estruturas grandes e pequenas. O arquiteto japonês Shigeru Ban, vencedor do Prêmio Pritzker, usa tubos de papelão reciclado para construir abrigos de emergência. Ele utilizou o mesmo material para criar sua Catedral de Transição de renome mundial, construída em 2013 em Christchurch, Nova Zelândia.

Outro exemplo de arquitetura sustentável de ponta é a CopenHill em Copenhagen, Dinamarca, que se autodenomina “a usina de geração de energia mais limpa do mundo”. Inclui uma fachada construída para escalada, um telhado pelo qual você pode caminhar e uma pista de esqui real.

O futuro da arquitetura sustentável

Apesar das inovações, avanços e aumento da consciência pública sobre a necessidade de práticas de construção mais verdes, a arquitetura sustentável ainda representa uma pequena parte da construção global. Além disso, muitos especialistas acreditam que o conceito de sustentabilidade está desatualizado devido ao estado atual do planeta.

Em vez disso, eles insistem que o caminho a seguir está na arquitetura e design regenerativos , uma abordagem holística muito mais progressiva que se concentra em explorar os recursos naturais do mundo para criar edifícios e sistemas capazes de se regenerar e quebrar completamente quando cumprem seu propósito. Sabe-se que a mudança climática afeta mais severamente as mulheres, as pessoas de cor e as comunidades pobres, e o design regenerativo integra a igualdade social em suas práticas.

Por exemplo, o Desafio Living Building do International Living Future Institute inclui um componente obrigatório de equidade social. Isso representa um passo importante além dos princípios básicos da construção sustentável para ajudar a aliviar os problemas sociais e, ao mesmo tempo, abordar os desafios ambientais.

Gostou destas informações? Compartilhe este post em suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *